segunda-feira, 20 de março de 2017

Quem vai processar o delegado da PF?

Richard Jakubaszko 

Processar o delegado, esta é a pergunta que não quer calar, e que estou me fazendo desde a última sexta-feira, 17/3, quando o delegado midiático da Polícia Federal (PF), Mauricio Moscardi Grillo, foi aos holofotes denunciar o que considera um escândalo nacional de os frigoríficos venderam carne podre, adulterada, vencida, misturada com papelão e coberta de ácido ascórbico, acusado mentirosamente de ser cancerígeno.

Ora, que provas o delegado e seus mais de 900 agentes apresentaram? Três ou quatro conversas telefônicas, das quais tiraram ilações estapafúrdias. Numa delas, envolveram o atual ministro da Justiça, Osmar Serraglio, muito provavelmente o objetivo principal dessa desastrada operação Carne Fraca, para enfraquecer o político nomeado por Temer, porque ele teria a função, determinada pelo presidente e seus parceiros peemedebistas, de um lado, para desconstruir a Lava Jato, da qual faz parte o delegado Moscardi Grillo. De outro, a intenção de desmoralizar o ministro, que já andava comentando a futura troca do atual comandante da PF, coisa que os delegados não desejam.

A ação da PF é um crime lesa-pátria, pela leviandade, por demorar 2 anos numa operação, classificada como a maior de todos os tempos da PF, e que não apresenta nada conclusivo, apenas ilações e convicções, como parece ser o modismo entre procuradores e policiais, e que judicializaram o país. O exemplo maior dessa patacoada é a mistura de papelão em carnes, um absurdo de entendimento. Por que demorou 2 anos para vir a público?

Então, que se processe judicialmente esse delegado, por abuso de poder no exercício de um cargo público. Que se afaste esse delegado dessa operação, que não é verdadeira e nem ameaça a saúde pública, e que o Ministério da Agricultura faça a lição de casa. Que se processe esse delegado pela conduta midiática, escandalosa, e por colocar em risco a balança comercial brasileira, a imagem do país nessa área de alimentos, produção que nos concedeu o privilégio de ficarmos de fora da crise que se abateu no planeta desde 2008, quando o sistema financeiro americano quase implodiu o mundo.

Para os brasileiros vai ficar a imagem, por algum tempo, de que comemos carne podre, misturada com ácido ascórbico e papelão. Não vai adiantar muita coisa o presidente Temer ter convidado os embaixadores para uma churrascaria, as redes sociais ridicularizam essas atitudes. O ministro Blairo Maggi vai ter muito trabalho para desmontar essa trapalhada da PF, as empresas JBS, Seara, Marfrig e BRF não possuem forças para desmentir sozinhas as mentiras, e nem a grande mídia quer saber disso, pois não vai abrir espaço para desmentidos. O que a mídia deseja é a grana para pagar espaços publicitários dessas empresas, para custear as futuras operações escandalosas.

Neste exato momento em que publico este post, realiza-se a coletiva da Abiec e da Associação de Proteínas, em São Paulo, para esclarecer fatos do setor. Não será suficiente, os importadores europeus e chineses já começaram a pressão, e pedem para trancar as importações de carnes brasileiras. O Brasil vai perder.

O Brasil vai perder ainda com as ações midiáticas e judiciais dos veganos e ambientalistas; o Brasil vai perder com as ações de advogados americanos que vão processar na justiça americana a JBS e a BRF para obter compensações pelas perdas dos seus clientes no mercado acionário. E lá essas indenizações podem quebrar qualquer empresa que já esteja fragilizada.

Então, que se processe o irresponsável que fez esta merda toda! É a minha opinião, como brasileiro e cidadão. Tudo isso, porque acredito que praticar cidadania não é exercer a plena hipocrisia. Com a prática de mais de 50 anos de jornalismo no agronegócio, tenho minhas convicções, também.

Entrevistas para gerar fatos e frases de efeito para alguns jornalistas da mídia repercutirem não vai adiantar nada. Precisa-se de punição exemplar dos delegados aproveitadores de plantão, que abusam de seu cargo e função pública.

 
TEMER: "ESSA NÃO, ESSA CARNE É FRIBOI, QUE É DO LULINHA..."

.

6 comentários:

  1. Acompanho o site faz vários anos e pela primeira vez, depois desta matéria, o sistema parou o acesso ao site e informou que era um site suspeito e ofereceu um quadrinho perguntando se eu queria voltar ou continuar. Estranho, não é?

    ResponderExcluir
  2. Daniel,
    A turma do delegado, ou algum simpatizante dele, deve ter denunciado o blog ao sistema Googlem, ou então seu antivírus anda cheio de cuidados. Observe no browser que o end/link do blog é https, portanto, seguro, e garantido pelo Google.
    Abs
    Richard

    ResponderExcluir
  3. Prezado Richard, assino embaixo.
    E há muitas outras perguntas que não querem calar. Entre elas:
    Quando essa pf vai nos dizer o nome do dono da cocaína que estava no helicoca, apreendido em Minas, com perto de 450 kg de pasta básica?
    Cordialmente,
    Rogério Furtado

    ResponderExcluir
  4. Meu caro, soube que depois da carne, vem a operação do leite. Não estariam os nossos concorrentes por trás de tudo isso? Longe de nós pensar na teoria da conspiração...O agronegócio é o setor mais exitoso da economia brasileira. É preciso detê-lo? Pense nisso.

    ResponderExcluir
  5. Acho que o Brasil precisa fazer algo enérgico contra as indicações políticas nas superintendências.
    São 17 em 26.
    O equívoco da PF, que parece claro nessa operação, não deveria esconder a raiz do problema.
    Renato

    ResponderExcluir
  6. Concordo com o comentário de Renato e chamo a atenção para o verdadeiro foco da operação da PF que é a ingerência política nas superintendências do MAPA. Ser indicado por um deputado não significa ser qualificado para o cargo mas sim para a corrupção que o cargo permite. Aceitar a indicação de um deputado significa que fazer política (na ética da política brasileira) é mais importante que a própria agricultura.

    ResponderExcluir

Obrigado por participar, aguarde publicação de seu comentário.
Não publico ofensas pessoais e termos pejorativos. Não publico comentários de anônimos.
Registre seu nome / cidade na mensagem. Depois de digitar seu comentário clique na flechinha da janela "Comentar como", no "Selecionar perfil' e escolha "nome/URL"; na janela que vai abrir digite seu nome.
Se vc possui blog digite o endereço (link) completo na linha do URL, caso contrário deixe em branco.
Depois, clique em "publicar".
Se tiver gmail escolha "Google", pois o sistema Google vai pedir a sua senha e autenticar o envio.